in ,

Startup israelense transforma águas residuais em energia renovável

Mundialmente, municípios e empresas de processamento de alimentos produzem um grande volume de águas residuais difíceis de tratar. Em alguns casos, essa água tóxica é despejada em rios ou aquíferos. A startup israelense AgRobics, com sede em Shfaram, desenvolveu uma nova tecnologia de bioestabilizador para melhorar o tratamento de águas residuais e gerar biogás para produção de energia a partir de águas residuais.

“As águas residuais são um desafio global nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Tratá-los requer muita energia e produtos químicos”, diz o co-fundador da AgRobics, Prof. Isam Sabbah, chefe do Departamento de Engenharia de Biotecnologia do Braude College, em Karmiel.

“Portanto, as águas residuais são vistas como um incômodo, o que requer de 2 a 5% da produção de energia de um país. A AgRobics vê esse ‘incômodo’ como uma oportunidade de converter esse fluxo de resíduos em água limpa e energia.”

A tecnologia patenteada da start-up, apoiada pela empresa de água Mekorot, contém uma combinação de microrganismos e tecnologia. Quando as águas residuais são transportadas através do reator, as arqueias – micro-organismos morfologicamente semelhantes às bactérias – engolem os poluentes, purificam a água e excretam o “valioso biogás” usado para produzir energia renovável.

A tecnologia foi testada com sucesso em estações de tratamento de águas residuais em Karmiel e Netufa e em uma fábrica de alimentos no sul de Israel.

A AgRobics agora está instalando sua primeira planta de demonstração na Califórnia, nos EUA, depois de receber uma doação da Fundação Binacional de Pesquisa e Desenvolvimento Industrial Israel-Estados Unidos (BIRD) para desenvolver seu inovador tratamento anaeróbico de águas residuais para fábricas de processamento de alimentos.

A BIRD foi criada em 1977 pelos governos dos Estados Unidos e de Israel para promover pesquisa e desenvolvimento industrial (P&D) mutuamente benéficos. Cada projeto da BIRD envolve uma parceria entre os EUA e uma empresa israelense, com até 50% do financiamento sendo fornecido pelo BIRD e pelo menos 50% pela parceria. A fonte do financiamento é uma doação que é fornecida igualmente pelos dois governos. A Fundação é considerada um modelo muito bem-sucedido de colaboração binacional em P&D.

Desde que a colaboração foi anunciada, a AgRobics assinou uma carta de intenção para tratar águas residuais de um dos maiores produtores mundiais de frutas secas.

“Nós podemos ser completamente sustentáveis. Não precisamos de energia para fazer nosso tratamento, porque produzimos energia”, disse Gilad Horn, CEO da AgRobics.

“Podemos transformar uma fábrica em um produtor líquido de energia a partir do biogás que produzimos. Espero que este seja o caminho a seguir com a futura gestão de resíduos.”

Embora a solução possa ser crucial para a indústria e os municípios dos países desenvolvidos, Sabbah enfatiza o potencial do sistema de tratamento de águas residuais para os países em desenvolvimento.

“Com o AgRobics, as comunidades podem reutilizar água e fertilizantes para a agricultura e gerar energia limpa para os moradores.”