ESG: por que a tecnologia é decisiva?

 ESG: por que a tecnologia é decisiva?

Por Fabiano Sant Ana

O tema ESG, sigla em inglês para environmental, social and governance, que é usado para medir as práticas ambientais, sociais e de governança de uma empresa, nunca esteve tão em alta. A Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), promovida em novembro pela Organização das Nações Unidas (ONU), trouxe ainda mais holofote para o assunto. O desafio das corporações agora é colocar em prática as principais inciativas acordadas no evento. Para isso, a tecnologia é fundamental na aceleração da agenda ESG.

Uma pesquisa feita pela Toro Investimentos mostrou que empresas com boas práticas ESG correm menos riscos de enfrentarem problemas jurídicos, trabalhistas, fraudes e sofrer ações por impacto ao meio ambiente. Segundo o estudo, essas empresas são mais responsáveis, eficientes e tendem a ser mais perenes.

Apesar dos benefícios serem visíveis, um dos maiores desafios encontrados pelas empresas atualmente está na gestão do ESG. Capturar, organizar e analisar dados sobre diferentes iniciativas, com públicos, impactos e objetivos diversos, é imprescindível para garantir a assertividade das ações, promovendo a gestão do ESG de ponta a ponta. É aí que a tecnologia tem feito a diferença, contribuindo para que as empresas entendam como estão na jornada de adoção das práticas e, também ajudando a evoluírem em cada um dos pilares.

Para representar e hierarquizar essas iniciativas de ESG, a ferramenta mais utilizada é a matriz de materialidade. Ela é complementar aos relatórios anuais de sustentabilidade (GRI – Global Reporting Initiative), que traz indicadores ambientais, sociais e econômicos dentro das empresas. Além disso, a materialidade é o princípio que determina quais tópicos relevantes são suficientemente importantes para o relatório.

Para se definir a matriz de materialidade de um tópico é feita uma combinação de fatores internos e externos. Para isso, é preciso ouvir todas as partes interessadas, como clientes, fornecedores, acionistas, comunidade, entre outros. Além de ser uma ferramenta importante para a auxiliar no direcionamento estratégico das organizações, a matriz de materialidade é fundamental em vários aspectos, inclusive para avaliar se há omissão ou distorção de uma informação.

A tecnologia contribui para o desenvolvimento sustentável, principalmente quando aliada a soluções inovadoras para a mensuração de dados e informações. Ela auxilia na estruturação, organização e no acesso às informações que ajudam na tomada de decisão. A velocidade das ações ESG não permite mais um relatório anual, que apenas retrata o passado. É preciso transformar dados em informações em tempo real, permitindo a visibilidade, acompanhamento, além da identificação de perdas e de oportunidades.

A adoção de tecnologias como inteligência artificial, machine learning, deep learning cloud é uma grande aliada para um correto acompanhamento da matriz de materialidade, permitindo não apenas o acesso aos dados da própria empresa como também das médias das iniciativas de ESG adotadas por outros players do mercado. A partir da geração dessas informações, as empresas podem ajustar suas métricas, visando estabelecer requisitos mínimos e máximos para suas práticas.

Fazer uma gestão unificada, integrada e inteligente do ESG é fundamental para ajudar empresas de todos os portes e segmentos na adoção das práticas de sustentabilidade de maneira real e constante – e não apenas como estratégia de marketing. O consumidor está cada vez mais informado e exigente, demandando que as empresas assumam e cumpram seus compromissos ambientais, sociais e de governança. E a tecnologia é um dos pilares que traz ainda mais facilidade à prática ESG, ampliando as possibilidades para que seu negócio se mantenha em dia.

Fabiano Sant Ana é Head de Inovação, Digitalização e Práticas ESG na Seidor Brasil, consultoria Global na área de Negócios e Inovação

Sobre a Seidor:

http://www.seidor.com.br

A Seidor é uma empresa dedicada ao fornecimento de soluções tecnológicas na área de consultoria de software e serviços de TI, inovação, estratégia, infraestrutura, desenvolvimento e manutenção de aplicações on-demand, cloud computing, IoT, entre outros. Com mais de 30 anos de experiência e um volume de negócio anual de mais de R$ 3 bilhões e mais de 6 mil profissionais na Europa, América Latina, África, Oriente Médio e nos EUA, a empresa possui alianças estratégicas com os principais e maiores desenvolveres internacionais de tecnologia. No Brasil, possui escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Vitória, Goiânia e Recife, contando com mais de 1 mil profissionais.

Redação

Newsletter

Rapadura Tech

Cadastre-se e receba, todas às sextas, um resumo do que foi destaque na semana sobre Tecnologia, Empreendedorismo e Negócios.