Saiba tudo sobre as fintechs brasileiras que estão se consolidando no mercado de criptomoedas

 Saiba tudo sobre as fintechs brasileiras que estão se consolidando no mercado de criptomoedas

De fato, o mercado de criptomoedas cresce a cada ano, muito graças à tecnologia, aos conteúdos mais completos e didáticos explicando o conceito das moedas virtuais e, claro, as empresas, em especial as fintechs, que têm feito um trabalho incrível no mercado. 

A fintech brasileira Blue Benx é especializada no mercado de criptomoedas e divulga dados sobre o assunto. De acordo com essa fintech, cerca de 29,5% dos investidores buscam as moedas virtuais como forma de diversificar sua carteira de investimentos. Enquanto 68% buscam as moedas para ter uma maior rentabilidade. 

Porém, nem tudo são flores, o mercado ainda é novo e os mais conservadores tendem a relutar sobre o assunto. A verdade é, ver uma moeda que nem ao menos existe fisicamente valer mais que ações de empresas é algo complexo de ser absorvido.

Pensando nisso, as fintechs têm feito trabalhos para conscientizar o investidor e mostrar como o mercado de criptomoedas pode ser seguro e extremamente lucrativo. 

3 fintechs brasileiras que atuam no mercado de criptomoedas

Fintechs brasileiras de criptomoedas estão no ranking das 100 empresas mais inovadoras da América do Latina, segundo o Innovation Awards de 2019.

Nessa ranking podemos destacar o Zro Bank e a PandaPay:

PandaPay

Utilizando a tecnologia de Blockchain, o PandaPay é um app para transferir, pagar, receber e investir, tudo de forma instantânea e sem taxas. Tudo é 100% digital e graças ao blockchain, além de ser extremamente seguro. 

É possível adicionar o dinheiro em sua conta panda via boleto, transferência bancária ou cartão de crédito/débito.

A ideia é democratizar o acesso financeiro, segundo dados da empresa 25% do país é desbancarizados (uma porcentagem que vem diminuindo graças às fintechs, em especial os bancos digitais). 

 

Zro Bank 

Sendo o primeiro banco digital multi moedas do país, o Zro Bank também trabalha com a tecnologia de blockchain. Sediado em Recife, essa fintech pertence ao Grupo B&T, corretora com 27 anos de mercado e que se destaca pelo câmbio de criptomoedas.

Por meio da integração Zro Bank e Telegram os clientes conseguem enviar e receber dinheiro (Real ou Bitcoin) por mensagem. Sendo um serviço 24/7, ou seja, nada de horários limitando suas transações. 

 

Nox Bitcoin 

Quem está no mercado de investimentos ouve falar de criptomoedas o tempo todo, não a toa você chegou até aqui. A maior questão, principalmente para os investidores mais conservadores, é, o que fazer com essas moedas? 

Sendo assim, nasce a Nox Bitcoin, a ideia é oferecer opções personalizadas para o investimento em bitcoins, ou seja, simplificar todo o conceito de investimento em criptomoeda.  

A fintech consegue beneficiar seus usuários em quase todos os cenários da moeda: queda, alta, estabilidade ou instabilidade. Isso é uma das maiores “cartas na manga” da Nox, afinal, sabemos que as criptomoedas são um investimento de risco, quanto maior estabilidade, mais investidores são atraídos.  

O mercado de criptomoedas 

De fato o mercado de criptomoedas é um investimento de risco, com os valores sendo muito voláteis seria errado da nossa parte dizer para você investir todo seu dinheiro nas moedas virtuais, nem mesmo podemos fazer essa recomendação. 

Entretanto o bitcoin subiu 260% nos últimos 12 meses e cada vez mais investidores ditos conservadores têm visto o mercado com bons olhos. Isso acontece graças à informação que tem chegado com maior precisão aqui no Brasil.

Muitas dessas informações estão diretamente ligadas às fintechs que têm buscado lá fora as melhores maneiras de se trabalhar com criptomoedas. Se olharmos para o mercado internacional o Bitcoin, principal criptomoeda no mercado, teve uma valorização exponencial após a compra de US $1,5 Bilhões em Bitcoins feita pela Tesla

Estamos praticamente entrando em um novo ciclo de crescimento do bitcoin, mas a verdade é, quando a principal criptomoeda cresce, as emergentes também se valorizam. Vide exemplo o Fundo CriptoMoedas que foi criado em dezembro de 2020 e obteve um retorno de 211,9% em apenas 1 mês de operação. 

O crescimento é grande e chamou atenção até do Governo Brasileiro que planeja lançar sua própria criptomoeda.

No começo do ano de 2021, mais precisamente no dia 04/01, segunda-feira, o volume de negócios da grande bolsa de criptomoedas bateu seu recorde diário, mais precisamente US $68.3 bilhões. 

O mercado está borbulhando e o Brasil está entrando de cabeça nele. As fintechs citadas aqui estão chamando atenção do mundo, entre as mais valorizadas da América Latina. Investir em criptomoedas hoje significa ser vanguardista de um movimento que no futuro tem tudo para se tornar moedas oficiais de países (com suas devidas ressalvas é claro).

Flávio Carneiro

Engenheiro de Computação apaixonado por Tecnologia e Rapadura desde criança, uniu os dois e criou o Rapadura Tech para fomentar o ecossistema de empreendedorismo e tecnologia. Atualmente lidera um time de desenvolvimento e marketing no Insight Lab. É usuário ativo do Telegram e entusiasta de Inovações e Marketing Digital.

Posts relacionados