in , , , , ,

WhatsApp sofre debandada de usuários após anunciar novas regras de compartilhamento de dados

Os usuários do Whatsapp se surpreenderam com uma mensagem contendo informações sobre as novas regras da plataforma que entram em vigor no próximo dia 8 de fevereiro. É que passa a ser obrigatório o compartilhamento de dados de seus usuários com o Facebook, dono do aplicativo de troca de mensagens. 

E quem não concorda com a mudança? Segundo a própria notificação enviada pela plataforma, o usuário é convidado a tomar uma medida drástica: apagar o aplicativo e desativar a conta.

“A política de privacidade e as atualizações dos termos de serviço são comuns na indústria, e estamos informando os usuários com ampla antecedência para que revisem as mudanças, que entrarão em vigor no dia 8 de fevereiro. Todos os usuários deverão aceitar as novas condições se quiserem continuar usando o Whatsapp”, afirmou um porta-voz do Facebook à agência de notícias francesa AFP. 

Explicando melhor: de acordo com informações prestadas pela empresa à AFP, a nova regra prevê o compartilhamento de informações adicionais entre Whatsapp e Facebook e outros aplicativos do grupo, como Instagram e Messenger. Vale ressaltar que as mensagens trocadas pelo Whatsapp não serão compartilhadas e seguem criptografadas.

Imagem: Reprodução

No entanto, informações sensíveis, como números de contatos, atualizações de status, dados sobre a atividade do usuário no aplicativo — tempo de uso ou o momento em que ele está online, por exemplo — e foto de perfil também são passíveis de compartilhamento. A nova regra também abrange informações como número de telefone do usuário, marca e modelo do aparelho celular. 

E qual objetivo das novas normas? Segundo o Whatsapp, o objetivo é “fornecer, melhorar, entender, personalizar, oferecer suporte e anunciar nossos serviços”.

 

Adaptação nos países

Como toda regra, há exceção, a nova diretriz do Whatsapp não será aplicada na União Europeia e Reino Unido, em razão de negociações que já haviam sido feitas com organizações dedicadas à proteção de dados. 

E como fica o Brasil? A Lei Geral de Proteção de Dados entrou em vigor em setembro do ano passado. O artigo 7º prevê que uma das hipóteses para tratamento de dados pessoais se refere a situações necessárias para “atender aos interesses legítimos do controlador [dos dados] ou de terceiro, exceto no caso de prevalecerem direitos e liberdades fundamentais do titular que exijam a proteção dos dados pessoais”.

E o artigo 9º da lei determina ainda que o titular dos dados “tem direito ao acesso facilitado às informações sobre o tratamento de seus dados, que deverão ser disponibilizadas de forma clara, adequada e ostensiva” acerca da finalidade do tratamento, sua forma e duração e informações acerca do uso compartilhado de dados feito pelo controlador e sua finalidade.

 

Desgosto

Quem não gostou nada dessa novidade foi o empresário Elon Musk, CEO da Tesla. Ele sugeriu a migração para o concorrente Signal. Mas também tem gente pensando no Telegram. 

Fato é que após o tal anúncio, o número de downloads do app Signal disparou. Além de Musk, Jack Dorsey, cofundador do Twitter, também recomendou o uso de aplicativo para burlar o consentimento forçado imposto pelo Facebook.

A plataforma de análise de dados Sensor Tower reportou que mais de 100 mil pessoas haviam instalado o Signal, segundo a Reuters. Já o volume de downloads do Whatsapp teria caído 11% nos sete primeiros dias de 2021 em comparação com a semana anterior.

Além disso, podemos notar uma debandada a partir da análise do crescimento das outras opções de aplicativo. No Telegram, por exemplo, segundo seu fundador Pavel Durov, na primeira semana de janeiro de 2021, a plataforma superou 500 milhões de usuários ativos. E continua crescendo, já que contou 25 milhões de novos usuários somente nas últimas 72 horas. O crescimento foi de 38% na Ásia, 27% da Europa, 21% da América Latina e 8% na África.

Para quem resolver experimentar o Telegram, temos 2 dicas:

E você? É team Whatsapp ou não?

Hayanne Narlla

Escrito por Hayanne Narlla

Jornalista cearense. Amante do sol e do mar, cultiva o hábito de escrever sobre a vida nos detalhes mais rotineiros. Movida por novos desafios e curiosa desde a infância, gosta de aprender sobre inovações e empreendedorismo. Nas horas livres, reflete e teoriza sobre o universo da música e do cinema. Acredita que é preciso ser útil e deixar rasto.