Entenda os motivos de El Salvador transformar o Bitcoin em moeda oficial

 Entenda os motivos de El Salvador transformar o Bitcoin em moeda oficial

Bukele, presidente de El Salvador com laser eyes. Reprodução/Twitter.

Bitcoin virou moeda oficial! Aí está uma manchete que chama bastante atenção, tanto para o lado positivo quanto para o negativo. Para os entusiastas de cripto ativos, Bitcoin como moeda oficial é uma vitória, um verdadeiro salto rumo à liberdade que estes ativos proporcionam. Para os conservadores, é um retrocesso, algo extremamente perigoso que pode levar a graves problemas no setor financeiro.

Então, quem El Salvador, uma pequena nação da América Central, decidiu escutar? Vamos entender o que aconteceu para que o país adotasse a principal criptomoeda do mercado como oficial, as repercussões causadas e qual o futuro.

Bitcoin: Moeda oficial de El Salvador

A notícia de que El Salvador adotaria o Bitcoin como moeda oficial do país começou a circular no começo de Junho de 2021, quando Nayib Bukele, 39, presidente de El Salvador, anunciou oficialmente na conferência de Bitcoin que aconteceu em Miami no mesmo ano.

É possível acompanhar mais tweets sobre Bitcoin em El Salvador diretamente no perfil de Nayib

É possível acompanhar mais tweets sobre Bitcoin em El Salvador diretamente no perfil de Nayib

A economia de El Salvador é muito dependente de remessas internacionais e o mais interessante é que o país não possui uma moeda própria. Em 2001 o país abriu mão de ter uma moeda para chamar de sua e optou por adotar o dólar como moeda oficial. Exatos 20 anos se passam e El Salvador opta por adicionar mais uma moeda oficial em seu território, o Bitcoin.

Fonte: Wikipedia El Salvador

A medida tomada pelo presidente Nayib deve-se ao fato do mesmo acreditar que isso pode ser um meio de impulsionar investimentos no país. “Isso vai melhorar a vida e o futuro de millhões”, diz Bukele.

O Estado de El Salvador afirma que irá providenciar os meios para que o curso forçado (obrigatoriedade de aceitação como meio de pagamento, determinada por lei, de moeda fiduciária desprovida de lastro metálico) seja executado com maestria. Um desses meios são as conversões automáticas (dólar para Bitcoin e vice-versa).

Mas, é possível fazer isso? Transformar uma moeda que nem ao menos existe fisicamente em algo oficial do país? Sim! Afinal, para que algo seja transformado em moeda é preciso ter características bem claras – Meio de troca; Unidade de conta; Reserva de valor –  dentre essas 3 características o bitcoin atende apenas uma, sendo uma excelente reserva de valor.

Sendo um pequeno país da América Central com uma grande necessidade de valores vindo do exterior para completar seu PIB. El Salvador busca atrair pessoas que busquem entesourar suas criptomoedas, já que não haverá impostos sobre o ganho de capital quando ela se valorizar.

Quanto à população do país, novamente, segundo o presidente Nayib Bukele, “No curto prazo, isso gerará emprego e ajudará a proporcionar inclusão financeira a milhares de pessoas fora da economia formal”.

Quais são os riscos?

Sem dúvida adotar algo de forma tão rápida pode oferecer grandes riscos ao país. As críticas ao grande projeto de El Salvador são focadas na volatilidade que o Bitcoin possui. Em abril de 2021 o bitcoin passou por uma alta e acabou chamando bastante atenção dos veículos de comunicação, uma unidade do cripto ativo estava avaliada em US $63 mil – no momento que este artigo está sendo produzido – junho de 2021- uma mesma unidade está avaliada em pouco mais de US $32 mil.

De acordo com o economista César Villalona “É uma situação complicada porque isso pode levar a muitos ataques especulativos que afetam as pessoas, criando um caos no sistema monetário em que poupanças, pensões, salários podem perder ou aumentar de valor (…) Não se sabe, porque é um mundo de especulação”.

Mas, de acordo com o Governo de El Salvador, para que a população não assuma os riscos da flutuação do ativo, foi criado um fundo no valor de US $150 milhões para trocar os dólares dos cidadãos que desejarem.

No Twitter, Bukele cita “Eles [os empresários] têm que aceitar o Bitcoin [como moeda de pagamento], mas não o risco. Eles vão passar esse risco para o governo (…) que pode tornar isso em um lucro ou uma perda [dependendo da flutuação do Bitcoin]. Esse fundo vai ser sustentado por algumas perdas e alguns ganhos (…) mas não importa, porque o objetivo deste fundo não é ganhar dinheiro”.

Apesar disso, Ricardo Castaneda, economista do Instituto Centro-Americano de Estudos Fiscais (Icefi) de El Salvador e Honduras declarou que “É uma falácia dizer que o risco cambial será assumido pelo governo e não pelo povo, porque o governo se financia com impostos. Isso significa que toda população, principalmente os mais pobres, pela forma como os impostos são recolhidos, será quem vai pagar o risco”.

Podemos concluir que este movimento feito pelo Estado de El Salvador foi ruim? E que logo terá consequências graves ao país? Não, na verdade nem só de riscos vive o Bitcoin, os benefícios também estão presentes.

Benefícios em adotar o Bitcoin como moeda em El Salvador

Um dos benefícios sobre a adoção do Bitcoin como moeda oficial do país é a economia de comissões dos intermediários na remessas vinda do exterior, sendo essa economia de até 30%, segundo o presidente do país.

Sendo o único país da América Central a não ser banhado pelo Mar do Caribe, apenas pelo oceano pacífico, as remessas internacionais são vitais para El Salvador. Elas correspondem a 16% do seu PIB.

Outro ponto a ser destacado é o incrível fato de que 70% da população do país não possui conta em banco e conquistam seu dinheiro de forma informal, a ideia é que a criptomoeda melhore a inclusão financeira. “É uma grande mudança para o país e é uma grande oportunidade(…). Vai promover o desenvolvimento econômico, a geração de empregos… (…). Isso vai ser bom para as pessoas, para os investidores, para os inovadores” palavras ditas pelo presidente Bukele.

O futuro do Bitcoin como moeda oficial de El Salvador

Seria ousadia demais da nossa parte tentar prever o futuro, se é impossível prever o que acontecerá com o Bitcoin no futuro, imagine com uma nação. Fato é que a criptomoeda precisa vencer o maior desafio que uma reserva de valor pode enfrentar, o tempo.

Além disso, ela precisa de estabilidade e quanto mais se é utilizado, negociado e até mesmo falado, mais possível é alcançar essa estabilidade.

O Bitcoin tem apenas 12 anos, criado em janeiro de 2009. No ano de 2010 ninguém acreditava que isso poderia ser algo viável. Tanto que houve o famoso Pizza Day, quando o programador Laszlo Hanycz decidiu saciar sua fome na noite de 22 de maio de 2010 pagando duas pizzas grandes com bitcoin.

O valor pago? 10 mil bitcoins! Na época, o ativo estava avaliado em US $0,007. Se você quer saber quanto o programador pagou em duas pizzas grandes, é só clicar no link que está em seu nome.

Fato é que, pouco mais de uma década depois, um país adotou como moeda oficial o que antes nem ao menos era denominado como moeda. Por isso é muito importante ficar ligado no que vai acontecer em El Salvador, e se valerá a pena utilizar o Bitcoin como moeda ou cada nação criar a sua.

Flávio Carneiro

Engenheiro de Computação apaixonado por Tecnologia e Rapadura desde criança, uniu os dois e criou o Rapadura Tech para fomentar o ecossistema de empreendedorismo e tecnologia. Atualmente lidera um time de desenvolvimento e marketing no Insight Lab. É usuário ativo do Telegram e entusiasta de Inovações e Marketing Digital.

Posts relacionados